| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Ecopress
Desde: 17/03/2000      Publicadas: 26928      Atualização: 01/12/2009

Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


 Opiniões

  05/06/2009
  0 comentário(s)


Melhores escolas do Enem/SP desperdiçam água

Estudo inédito realizado por consultoria especializada mostra que as escolas públicas paulistanas melhor classificadas no Enem desperdiçam muita água, não fazem manutenção e não têm política de educação ambiental

Um estudo realizado em maio último pela consultoria H2C, especializada em uso racional da água, nas escolas públicas que ocupam as melhores posições no último Enem mostra uma situação desoladora: todas têm equipamentos hidrossanitários gastadores, desregulados, em péssimo estado de manutenção e não desenvolvem política de educação ambiental com os alunos.



As escolas públicas federal, estaduais e municipais situadas nos cinco primeiros lugares do ranking do Enem foram avaliadas por técnicos especializados em itens como vasos sanitários, válvulas de descarga, torneiras e mictórios. "Elas gastam, sem exceção, em média 50% acima do consumo normal, tendo equipamentos hidrossanitários antigos, gastadores", explica Paulo Costa, diretor da H2C. O estudo encontrou produtos hidrossanitários depredados. A maioria dos produtos (torneiras, válvulas de descarga) tem vazamentos. Existem mictórios de cocho com vazamento, consumindo água de forma ambientalmente irresponsável. Em boa parte dos sanitários não há assentos nas bacias e há torneiras . Tudo isso denota a absoluta falta de manutenção, preventiva ou corretiva, desses equipamentos.



"O dinheiro público está literalmente escorrendo pelo ralo, consumindo recursos escassos e fornecendo um péssimo exemplo aos alunos, do ponto de vista ambiental", avalia Costa. O consultor, que já desenvolveu mais de 500 programas de uso racional da água em entidades e empresas, afirma que seria possível, com a implementação de projetos racionalizadores do uso da água, com a troca de equipamentos gastadores por outros, economizadores, proporcionar economia de até 60% na conta mensal em relação ao consumo atual. Além disso, diz ele, seria fundamental a implementação, no programa de uso racional da água, de projeto de educação ambiental, com distribuição de cartilhas nas escolas e comunicação visual, para incentivar os estudantes, professores e funcionários a economizarem água. "A racionalização no consumo da água é fruto da adoção de tecnologia, com equipamentos economizadores, e mudança de atitude, com a conscientização dos usuários", explica Paulo Costa.

  Autor:   Com Assessoria





Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


Busca em

  
26928 Notícias