| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Ecopress
Desde: 17/03/2000      Publicadas: 26928      Atualização: 01/12/2009

Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


 Notícias com Baixa Repercussão

  29/05/2007
  0 comentário(s)


Governo já estuda nova hidrelétrica na Amazônia


Antes mesmo do desfecho do caso rio Madeira, governo e empreiteiros já preparam o terreno para uma nova grande hidrelétrica na Amazônia. O próximo alvo é o Tapajós, um dos últimos grandes rios da região ainda sem represas planejadas.

A construtora Camargo Corrêa deve concluir ainda neste semestre o levantamento do potencial hidráulico do Tapajós e do Jamanxim, seu afluente, na região de Itaituba, Pará. Para isso, conta com um financiamento de R$ 13,6 milhões da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), órgão do Ministério da Ciência e Tecnologia.

A primeira parcela do empréstimo foi liberada em fevereiro. A empreiteira informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que ainda não há uma estimativa que possa ser divulgada do potencial de geração de energia dos dois rios. Mas estudos anteriores da Eletronorte, parceira da Camargo Corrêa no empreendimento, identificaram ali, no local conhecido como cachoeira de São Luís, um potencial de 11 mil megawatts (9.000 no Tapajós e 2.000 no Jamanxim).

É quase o dobro da capacidade instalada somada das polêmicas usinas de Santo Antônio e Jirau, no rio Madeira (Rondônia). E o equivalente à de Belo Monte, no rio Xingu. Uma fonte graduada do setor elétrico afirma que a hidrelétrica -ou as hidrelétricas, já que não se sabe ainda qual seria a melhor forma de aproveitar as corredeiras do Tapajós- de São Luís não deve servir como "plano B" às usinas do Madeira, uma das mais importantes obras do PAC (Programa de Aceleração de Crescimento) e ainda sem licença ambiental do Ibama, apesar da forte pressão do próprio governo.

Mas que o novo projeto será a "próxima e última" grande hidrelétrica do país, já que potenciais hidráulicos dessa monta já foram mapeados e esgotados. Assim como Santo Antônio e Jirau, a futura obra, se for levada adiante, tem tudo para causar polêmica com o setor ambiental.
Os ambientalistas são contra grandes hidrelétricas por definição, já que na esteira dessas obras na Amazônia costumam vir inundações de floresta, surtos de grilagem de terras e desmatamento. No caso de São Luís, há mais uma coisa a acrescentar à lista.

O ponto onde o Tapajós forma suas corredeiras, perto da interseção com a rodovia Transamazônica, é cercado de unidades de conservação, como o Parque Nacional da Amazônia, e a Flona (Floresta Nacional de Itaituba). Além disso, há diversos assentamentos de reforma agrária na área, palco de conflitos no passado recente entre madeireiros e Ibama. "Tem muito pouco espaço fora de unidades de conservação e assentamentos", diz Roberto Smeraldi, diretor da ONG Amigos da Terra Amazônia Brasileira. "Você tem um parque nacional, duas áreas de produção de madeira e uma área de intensa colonização." Smeraldi reconhece, no entanto, que um dos maiores nós ambientais do rio Madeira, a questão dos sedimentos, não se coloca no rio Tapajós, que é de águas claras.

O financiamento da Finep à Camargo Corrêa é reembolsável e funciona da seguinte maneira: se dentro de dois anos não sair um edital de concorrência para a construção da usina (ou das usinas), a empreiteira paga o governo e banca o custo do estudo até que aconteça a licitação. No eventual processo de concorrência, no entanto, esse custo será transferido ao vencedor do leilão. Se for levada a cabo, São Luís consolidará um plano de ocupação da Amazônia que começou no regime militar com a Transamazônica.

A estrada cruza três grandes rios (Tocantins, Xingu e Tapajós) em três pontos onde há grandes quedas d'água: uma delas, Tucuruí, já foi construída. A segunda, Belo Monte, sobre a qual se arrastava disputa com o Ministério Público, teve recentemente autorização para ter seu estudo de impacto ambiental.

A usina do Tapajós é a última do trio. O diretor econômico-financeiro da Eletronorte, Astrogildo Fraguglia Quental, afirmou que a usina de São Luís tem capacidade para substituir as obras planejadas para o rio Madeira, cuja entrada em operação é esperada para 2012. Para ele e outros técnicos do setor, no entanto, o governo deveria voltar os olhos para Belo Monte, cuja estimativa de produção média de energia é de cerca de 5.000 megawatts (embora o potencial instalado seja de quase 11 mil megawatts, a grande diferença de vazão do rio na cheia e na seca reduz a energia "firme", ou seja, o que a usina vale de fato, à metade). "Não tenho dúvidas de que Belo Monte é muito melhor do que qualquer uma delas", disse Quental. "Não só pela proximidade de grandes mercados [cidades do litoral nordestino], mas pela melhor relação custo-benefício no que diz respeito às finanças e ao ambiente, pois haveria menos inundações." (Ecopress com informações da Folha de S.Paulo - 29/05/07, às 10h44)



  Mais notícias da seção Impacto ambiental no caderno Notícias com Baixa Repercussão
26/10/2009 - Impacto ambiental - UE aceita reduzir emissões de CO2 em até 95% até 2050
UE compromete-se a reduzir até 95% das emissões de CO2, mas outras nações também têm que assumir...
17/08/2009 - Impacto ambiental - Malária aumenta 63% em distrito de Porto Velho
Com a construção de Jirau, Jaci-Paraná já registra 1.524 de casos de malária ...
10/08/2009 - Impacto ambiental - Além das fronteiras da química verde
Brasil e Alemanha se unem para estudar química mais sustentável...
03/06/2009 - Impacto ambiental - MP que acaba com licença ambiental para asfaltar rodovias perderá validade
Por não ter sido votada na última sessão do Senado, a partir desta segunda-feira (1º/6) a Medida Provisória 452 não terá mais validade. Governo deverá reeditá-la e considerar as críticas que foram feitas ao texto....
24/01/2006 - Impacto ambiental - O Rodoanel é importante, mas a água é muito mais
Novo artigo discute este polêmico tema...
20/09/2005 - Impacto ambiental - Katrina e aquecimento global
Leia e comente este novo artigo...
18/11/2004 - Impacto ambiental - O crime compensa - Leia esta notícia. E comente!
Miriam Prochnow* Ainda não foi dito tudo sobre o escândalo que envolve a construção da hidrelétrica de Barra Grande. Alguns números ajudam a compreender a dimensão, inclusive financeira, do dano a ser causado pelo desmatamento dos mais de 5 mil hectares de florestas primárias e em diversos estágios de regeneração da Mata Atlântica. De acordo c...
01/10/2004 - Impacto ambiental - Fraude no Estudo de Impacto Ambiental garantiu licença para construção de hidrelétrica
ESCÂNDALO EIA/Rima da UHE de Barra Grande escondeu a existência de uma das últimas áreas primárias de araucárias do Brasil. Agora, com a Barragem praticamente pronta, a verdade veio à tona. Mas uma vez grandes empresas tentam impor a política do fato consumado para burlar a legislação e lucrar às custas da destruição do meio ambiente. É o que es...
26/08/2003 - Impacto ambiental - Obra da Prefeitura de São Paulo coloca em risco as represas Billings e Guarapiranga
Ambientalistas apontam falhas no licenciamento do Corredor Eixo Rio Bonito em área de mananciais das represas Billings e Guarapiranga, zona sul. Segundo os ambientalistas, o EIA/RIMA (Estudo de Impacto Ambiental) é insuficiente e a própria Câmara Técnica II da Prefeitura de São Paulo levanta questões sobre a obra. Segundo o conselheiro do CADES (Co...
10/01/2003 - Impacto ambiental - Associação levantará impactos ambientais
Rio de Janeiro, 02/12/2002 - O Comitê Brasileiro da Gestão Ambiental (ABNT/CB-38), empresas, Universidades e o Ministério de Ciência e Tecnologia decidiram, em Seminário realizado em 29/11/2002, no Rio de Janeiro, criar a Associação Brasileira de Ciclo de Vida - ABCV, sociedade sem fins lucrativos que vai coordenar o trabalho de implantação da Av...
19/12/2002 - Impacto ambiental - 1º Prêmio Água de Lastro A água de lastro é um problema ambiental que precisa ser discutido. Você tem alguma sugestão? Se sim, participe!
Você sabe o que é água de lastro? Talvez você não saiba, mas a água de lastro é a água utilizada pelos navios para estabilização interna. E talvez você também não saiba que esta água representa um grave problema ambiental para o Brasil. Vamos por partes: todos os dias centenas de navios chegam aos portos brasileiros trazendo além desta água, cente...
28/03/2001 - Impacto ambiental - Secretaria de Meio Ambiente realiza Audiência Pública sobre Impacto Ambiental
A Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo realiza no dia 28 de março, às 19h, no Teatro Popular do Sesi, em Mauá, a Audiência Pública sobre o Estudo de Impacto Ambiental e do Relatório de Impacto Ambiental – EIA/RIMA do empreendimento “Central de Cogeração de Capuava”, de responsabilidade de Capuava Cogeração Ltda. Data: 28 de març...



Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


Busca em

  
26928 Notícias


Notícias com Alta Repercussão
 

Impacto ambiental

 

Agências espaciais e Google buscam formas de proteger florestas