| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Ecopress
Desde: 17/03/2000      Publicadas: 26928      Atualização: 01/12/2009

Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


 Notícias com Baixa Repercussão

  20/11/2007
  0 comentário(s)


Emissão cresce mais que o PIB no Brasil


Gás carbônico emitido na economia teve alta de 45% entre 1994 e 2005 .Cálculo foi feito por grupo do RJ a pedido do governo e integrará novo inventário nacional; térmicas e carros foram fatores de elevação


As emissões de gás carbônico na economia brasileira cresceram 45% entre 1994 e 2005. Nesse período, a média de crescimento anual da produção de gases-estufa excluindo o desmatamento foi de 3,4%, enquanto o PIB (Produto Interno Bruto) cresceu 2,6%. Ou seja, o país está poluindo mais do que gerando riqueza.

Os dados integram relatório do balanço de carbono do Brasil, feito em convênio com o Ministério da Ciência e Tecnologia pela Economia & Energia (www.ecen.com), uma organização sediada no Rio.

Eles formarão a base do próximo inventário nacional de emissões, ainda sem data para ser concluído, que será entregue à Convenção do Clima das Nações Unidas. O inventário atual, lançado em 2004, já nasceu desatualizado: seus dados refletem as emissões de 1994.

Naquela época, as emissões industriais brasileiras (que incluem indústria, geração de energia e transportes) eram de 62,9 milhões de toneladas de carbono, menores que as da Romênia. Em 2005, chegaram a 91 milhões de toneladas, ultrapassando as emissões somadas de Áustria e da Holanda. Tudo isso excluído o desmatamento, que responde por cerca de 75% das emissões brasileiras -e que torna o Brasil o quinto maior poluidor global.

Segundo Carlos Feu, diretor da Economia & Energia, dois fatores responderam pela elevação das emissões: o brasileiro está andando mais de carro e consumindo energia mais suja.

"No primeiro inventário, quase não existiam usinas termelétricas no Brasil. Agora existem e continuarão existindo." A matriz energética nacional, antes predominantemente hidrelétrica (cujas emissões não são contabilizadas por falta de critério científico), passou a contar a partir desta década com usinas movidas a combustíveis fósseis como gás natural, diesel e carvão mineral.

O governo federal já dá como fato consumado que o crescimento futuro do país demandará mais energia fóssil.

O Plano Nacional de Energia, elaborado pela EPE (Empresa Brasileira de Pesquisas Energéticas), prevê que a participação do gás na matriz nacional em 2030 terá quase dobrado em relação ao 2005. A capacidade instalada de usinas a carvão deve quadruplicar no período, de 1.400 para 6.000 megawatts. As estimativas foram feitas antes da confirmação do potencial do campo de petróleo de Tupi, na bacia de Santos -que tende a tornar o óleo uma fonte de energia ainda mais importante no país.

Segundo o relatório do balanço de carbono, o setor de geração de energia foi o único que cresceu sua participação relativa no total de emissões entre 1994 e 2005: de 12% para 17%. As emissões desse setor duplicaram no período, de 7,6 milhões de toneladas de carbono em 1994 para 15,2 milhões em 2005. Os transportes mantiveram a fatia de 40%, mas suas emissões saltaram 45%: de 25,4 milhões para 36,9 milhões de toneladas de carbono.

Para Carlos Feu, o aumento no consumo de veículos no país -que se reflete primeiro na queima de combustíveis fósseis- é parte da explicação para o aumento nas emissões ter ultrapassado do PIB.

Intensidade

Isso tudo contribui para que a chamada intensidade de carbono, ou seja, o total de carbono emitido por US$ 1.000 gerados na economia, ainda seja alta no Brasil. Nos países ricos, a tendência é que ela caia, seja por eficiência, seja pelo aumento da participação do setor de serviços. "Ainda estamos num caminho de subir a intensidade de carbono", diz Feu.

O relatório, no entanto, ainda não conseguiu avaliar o peso dos motores flex na redução das emissões. Os carros flex, que aumentaram o uso do álcool (combustível que emite pouco carbono) no país, só entraram no mercado em 2004.

O crescimento das emissões industriais deve colocar o Brasil numa posição ainda mais delicada nas negociações do acordo substituto de Kyoto, que começam no mês que vem em Bali, Indonésia. O país, como o resto do Terceiro Mundo, é desobrigado por Kyoto de cortar emissões mas vem sendo pressionado pelas nações industrializadas a adotar algum tipo de compromisso obrigatório no período pós-Kyoto. A posição tradicional brasileira é não aceitar metas. (Ecopress com informações da Folha de S. Paulo - 20/11/07, às 9h55)



  Mais notícias da seção Poluição no caderno Notícias com Baixa Repercussão
13/10/2009 - Poluição - Noruega reduzirá emissões em 40%
Meta é a maior já anunciada para conter mudanças climáticas...
13/10/2009 - Poluição - Pré-sal quadruplica gases da Petrobras
As emissões podem passar dos 51 milhões de toneladas de dióxido de carbono...
31/08/2009 - Poluição - ''Gás do riso'' toma o lugar dos CFCs
Óxido nitroso torna-se o principal gás que enfraquece a camada de ozônio, dizem cientistas americanos...
17/08/2009 - Poluição - Países ricos oferecem cortes de 15% a 20% em CO2 até 2020
Números ficam aquém dos cortes tidos como necessários, por cientistas, para evitar as piores consequências ...
20/07/2009 - Poluição - Países são ameaçados pelo aquecimento global
Territórios podem desaparecer com a elevação dos níveis do ocenao...
26/05/2009 - Poluição - China reduz em 66% consumo de sacos plásticos poluentes
Imposto faz o consumo diminur...
07/04/2009 - Poluição - Cana corta 73% do CO2
Estudo da Embrapa quantifica vantagem ambiental do etanol sobre a gasolina ...
13/08/2003 - Poluição - Aumento da demanda por serviços de controle da poluição industrial deixa otimista mercado de meio ambiente no Brasil
Empresas européias e americanas estão cada vez mais interessadas em fazer parte do mercado nacional O pessimismo registrado em alguns setores da economia do País não tem contaminado o mercado ambiental brasileiro. Esta é a opinião de Sidney Aluani, gerente comercial da Ensr do Brasil. Nascida no Estados Unidos, há 35 anos, a empresa desembarcou no...
13/12/2000 - Poluição - A insustentável poluição do carvão
A população da Bacia Carbonífera sofre a escassez de água, devido a poluição provocada pela indústria de extração e exploração do carvão, que a princípio deveria custear a obra da barragem "como medida compensatória" pelos danos ambientais cometidos contra a natureza. A Barragem do São Bento causará grande impacto ambiental na fauna e na flora da r...
29/08/2000 - Poluição - Pelo mercado
O Seminário de Tecnologias para o Meio Ambiente, que acontecerá em São Paulo, de 29 e 31 de agosto, terá como tema as iniciativas empresariais de combate à poluição ambiental.(Jornal do Brasil, Economia, 27/08/00, pág. 3, [2X2]) ...



Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


Busca em

  
26928 Notícias


Notícias com Alta Repercussão
 

Impacto ambiental

 

Agências espaciais e Google buscam formas de proteger florestas