| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Ecopress
Desde: 17/03/2000      Publicadas: 26928      Atualização: 01/12/2009

Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


 Notícias com Baixa Repercussão

  22/07/2007
  0 comentário(s)


Combustível florestal


A crescente demanda por energia e combustíveis pode forçar a produção desses recursos a partir de espécies florestais. A afirmação é do biólogo Paulo Arruda, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e diretor da empresa de biotecnologia Alellyx Applied Genomics.

Segundo Arruda, há vários estudos sobre o uso de espécies florestais " como eucalipto, pinus e choupo " para a produção do etanol. "Hoje, o ramo da bioenergia está investindo em tecnologia para aproveitar o que sobra de outras áreas. Só na indústria do eucalipto há sobras de até 30% da produção", disse à Agência FAPESP.

O biólogo lembra que, nos Estados Unidos, o choupo " ou álamo (gênero Populus) " é usado em pequena escala para a produção de energia, em tecnologia que poderia ser aplicada a outras espécies. No Brasil, no entanto, os estudos ainda estão começando. "Em breve, a indústria alcoolquímica vai substituir a petroquímica. Devemos estar preparados para essa mudança", afirmou.

Para Arruda, o melhoramento genético por transgenia é uma forma de potencializar o aproveitamento das espécies florestais tanto na produção de energia como na de celulose ou de madeira. O cientista falou sobre o assunto no 5º Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria Sucroalcooleira (Simtec), que termina nesta sexta-feira (20/7) em Piracicaba, interior de São Paulo.

Segundo ele, a transgenia depende de um investimento inicial em pesquisa básica. "É preciso conhecer o gene, saber como ele se expressa e como controlá-lo", disse. Com essas informações, é formado um banco de dados com as características que se deseja aplicar na planta.

"O próximo passo é o desenvolvimento de tecnologia para trabalhar com esses dados e melhorar o eucalipto", explicou. Características como tamanho das fibras, redução da lignina e qualidade da celulose, importantes para as indústrias madeireira, de energia e do papel, podem ser manipuladas geneticamente.

A lignina, por exemplo, é o composto responsável pela rigidez da parede das células vegetais. Se essa qualidade é importante para manter a rigidez do caule das plantas, é também um desafio para a exploração da celulose. Os pesquisadores da Alellyx conseguiram "fabricar" eucaliptos com 10% a menos de lignina, sem prejudicar o crescimento da planta.

"O estudo ainda está no laboratório; resta observar como esse eucalipto vai se comportar no campo", disse. Segundo Arruda, o controle da redução da lignina deverá ter um grande impacto industrial. Serão necessários menos agentes químicos para dissolver a lignina e fazer a hidrólise da celulose, reduzindo os custos e a pressão sobre o meio ambiente.


Aumento da produtividade

Se no setor sucroalcooleiro a produtividade é medida pela obtenção de sacarose por hectare, no madeireiro calcula-se a quantidade de madeira conseguida em determinada área. Nesse cálculo, a densidade da madeira é um dos pontos fundamentais.

Segundo Arruda, já é possível controlar a densidade por meio da redução dos vasos no interior das células. A Alellyx descobriu um gene que diminui em 78% esses espaços vazios, mediante redução do número de vasos e de seu tamanho. O ganho em densidade é notável.

"Isso é inédito, ninguém encontrou até hoje uma forma de controlar esses vasos", enfatizou o pesquisador. Nos estudos iniciais não foram constatados prejuízos ao crescimento da planta. Os pesquisadores agora devem observar como o eucalipto se comporta em campo.

Outro estudo identificou um gene que controla o tamanho das fibras, o que representou um aumento do teor de celulose em 11%. "A questão principal é saber como aproveitar ao máximo o carbono fixado por unidade de área", disse Arruda, contextualizando a atual discussão das mudanças climáticas. "Isso reduziria a pressão em novas áreas florestais e manteria nosso planeta habitável."

O professor da Unicamp faz questão de destacar que, embora se ampliem as pesquisas sobre as espécies florestais, as áreas nobres devem continuar sendo exploradas para a produção de alimentos. Para a produção de energia seriam usadas áreas marginais e alternativas.
(Ecopress com infromações da Agência Fapesp - 23/07/07, às 9h05)



  Mais notícias da seção Combustível no caderno Notícias com Baixa Repercussão
26/10/2009 - Combustível - Governo antecipa mistura obrigatória de 5% de biodiesel ao diesel
Antes, a medida entraria em vigor só em 2013, agora, a partir de 2010...
02/09/2007 - Combustível - País busca etanol a partir da celulose
A idéia é fazer parceria com os EUA para acelerar as pesquisas que permitam a produção em larga escala ...
15/08/2007 - Combustível - FAO pede nova estratégia para os biocombustíveis
Meta seria evitar mais pobreza e danos ao ambiente...
14/08/2007 - Combustível - Governo vai liberar R$ 1 bi para biocombustível
Para Dilma, produção não atrapalha cultivo de alimentos e preocupação com desmatamento não tem razão ...
03/08/2007 - Combustível - Biocombustível aproxima Brasil e México
Durante visita ao país, no dia 6, Lula também assinará acordo de cooperação entre a Petrobrás e a Pemex ...
12/06/2007 - Combustível - Espanha usará biocombustível a partir de 2009
Mistura será gradual até atingir os 5,75% em 2010...



Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


Busca em

  
26928 Notícias


Notícias com Alta Repercussão
 

Impacto ambiental

 

Agências espaciais e Google buscam formas de proteger florestas