| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Ecopress
Desde: 17/03/2000      Publicadas: 26928      Atualização: 01/12/2009

Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


 Notícias com Alta Repercussão
  31/08/2009
  0 comentário(s)


Desmate perde peso em produção de CO2
O desmate de florestas contribuiu para um terço
do gás carbônico que o Brasil emitiu.
O desmatamento deixou de responder por 75% das emissões brasileiras de gases-estufa.
Números a serem divulgados pelo Ministério do Meio Ambiente indicam que, em 2008, o corte de
florestas contribuiu com cerca de um terço do gás carbônico que o país emitiu.

Os dados ainda são preliminares e não têm pretensão de serem completos como os do inventário
nacional de emissões, que ficará pronto no final do ano --e que tem uma defasagem de quase dez
anos.

Mas eles mostram que o ritmo de desmatamento caiu, enquanto as emissões da agricultura e do
setor industrial subiram. Na Amazônia, por exemplo, as emissões por desmatamento em 2008
foram de cerca de 460 milhões de toneladas de CO2, contra 550 milhões em 1994. No setor
industrial, que inclui transportes e geração de energia, as emissões passaram de 230 milhões
para 375 milhões de toneladas, mostra cálculo feito pela Folha a partir de dados da organização
sem fins lucrativos Economia & Energia, que faz o balanço de carbono nacional (www.ecen.com).

"O que era dois terços não permaneceu assim", disse à Folha Tasso Azevedo, consultor do
Ministério do Meio Ambiente. Segundo ele, a proporção hoje está provavelmente mais próxima de
um terço para florestas, um terço para indústria e um terço para agricultura.

Ninguém sabe realmente quanto o Brasil emite, já que o único inventário disponível hoje é de 15
anos atrás.

Ontem o ministro Carlos Minc (Meio Ambiente) prometeu para amanhã a divulgação dos dados dos
setores industrial, elétrico e de transportes.

A mudança no perfil de emissões tem causado preocupação no governo, que neste momento se
prepara para definir a meta de corte que o país apresentará na conferência do clima de
Copenhague, em dezembro.

O Itamaraty já declarou que o Brasil apresentará uma trajetória de emissões que represente um
desvio do cenário atual -ou seja, que tenha um "viés de queda". A trajetória está sendo calculada.
Espera-se que outros países desobrigados de metas pelo Protocolo de Kyoto façam a mesma
coisa.

Assim, as emissões poderiam até continuar a crescer até 2020, mas num ritmo menor ao que seria
se nada fosse feito. Após 2020, elas deveriam cair.

A maneira mais fácil de fazer isso no Brasil é reduzir o desmatamento. Isso tem a vantagem de
produzir uma redução significativa das emissões brasileiras enquanto outros países ainda teriam
emissões crescentes. O problema é que após 2020, zerado o desmate, o país ainda ficará com
uma curva de emissões ascendente no setor energético --especialmente na área de petróleo, com
a exploração do pré-sal.

Como a matriz energética nacional é limpa, isso deixa o Brasil numa situação parecida com a do
Japão, país que já usa energia de forma muito eficiente. Em ambos os casos, cortar emissões
adicionais implicará em custos altos. E aqui o governo brasileiro vê nas metas uma ameaça ao
desenvolvimento.

"A proposta de trajetória do Brasil deve ser diferente da de outros países", disse Azevedo.
  Web site: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u615069.shtml  Autor:   CLAUDIO ANGELO / Folha de S.Paulo


  Mais notícias da seção Poluição no caderno Notícias com Alta Repercussão
07/04/2009 - Poluição - Minc defende vistoria obrigatória de veículos para reduzir poluição
Conselho Nacional do Meio Ambiente obriga todos estados brasileiros a realizarem vistorias anuais de veículos...
09/03/2009 - Poluição - Poluição de carros quadruplica risco de morte
A poluição provocada pelos veículos mata indiretamente, em média, quase 20 pessoas por dia na região metropolitana de São Paulo, segundo estudo do Laboratório de Poluição Atmosférica da Faculdade de Medicina da USP. É quase o dobro do que há cinco anos, quando a média era de 12 mortes por dia por doenças cardiorrespiratórias "aceleradas" pela polui...



Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


Busca em

  
26928 Notícias