| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Ecopress
Desde: 17/03/2000      Publicadas: 26928      Atualização: 01/12/2009

Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


 Eco Watch

  13/08/2008
  0 comentário(s)


Mineradoras contam com orientação para elaborarem relatórios de sustentabilidade

Pesquisa da Poli/USP aponta alguns critérios que devem ser seguidos na elaboração de um relatório, de forma a tornar o documento mais completo.



O setor de mineração, cuja imagem é geralmente associada a danos ambientais, tem a oportunidade de tornar seus relatórios de sustentabilidade em um meio de comunicação realmente eficaz para tornar públicas suas ações. Em sua dissertação de mestrado "A Evolução dos Relatórios de Sustentabilidade no Setor de Mineração", defendida na Escola Politécnica da USP, a engenheira Fabiana Perez aponta quais são os critérios que devem ser seguidos na elaboração de um relatório de sustentabilidade, de forma que todas as partes interessadas " empregados, fornecedores, clientes, comunidade, governo e ONGs " enxerguem com mais credibilidade as ações da empresa para minimizar os impactos ambientais e sociais de suas atividades.

Em seu trabalho, Fabiana analisou 35 relatórios de cinco grandes empresas mundiais de mineração, entre elas, uma brasileira, entre os anos de 1997 e 2006. Na pesquisa, ela constatou que as empresas, além de apresentarem informações financeiras, sua visão e política de sustentabilidade, devem detalhar os impactos sociais, ambientais e econômicos de suas atividades, sejam eles positivos ou negativos. "É uma tendência mundial. A consultoria Sustainability, por exemplo, acredita que a confiança nos negócios e nos mercados será mais forte onde houver altos níveis de transparência e responsabilidade corporativa", afirma.

Assim, mesmo que alguma empresa tenha relatado uma situação desfavorável ou a ausência de uma boa prática, o reconhecimento dessa deficiência e a existência de planos para saná-la contaram pontos na avaliação da pesquisa. Ao contrário, declarações genéricas como "nós protegemos o meio ambiente", sem apresentar fatos ou dados, perderam pontuação. Sobre esse aspecto, a pesquisadora acredita ser muito importante que a empresa identifique e consulte as partes interessadas para determinar quais impactos são significativos e merecem esse detalhamento.

Nos relatórios, deve haver ainda um equilíbrio entre informação qualitativa e quantitativa, mostrando o quanto a empresa melhorou seu desempenho econômico, ambiental e social e como integra esses aspectos ao sistema de gestão da sustentabilidade.

Em sua pesquisa, Fabiana também observou que entre as informações analisadas também constam trabalhos com as comunidades, como ações de capacitação e desenvolvimento de fornecedores locais. "Os exemplos são muitos, mas é preciso aperfeiçoar a avaliação da eficácia desses programas. A maioria dos relatórios apresenta parecer de uma auditoria de terceira parte ("third party assurance"), mas o escopo dessa verificação não alcança todos os dados do relatório", pondera.

Lado positivo " O saldo positivo da pesquisa é que a cada ano as empresas aumentam a quantidade de tópicos apresentados, com identificação mais ampla dos seus impactos e divulgando ações diversas, alinhadas com as recomendações de consultorias, de pesquisadores e de diretrizes internacionais para elaboração de relatórios. "Entre as oportunidades de melhoria identificadas estão o relato dos métodos e bases de cálculo das informações apresentadas; comparação do desempenho com anos anteriores e a avaliação da chamada "materialidade" do relatório, quando a empresa garante que as informações são suficientes e relevantes para que as partes interessadas façam seus julgamentos e tomem decisões", explica.

Mesmo assim, adverte ela, as empresas devem priorizar os temas para evitar relatórios muito extensos, que acabam prejudicando a compreensão global de seus esforços.

Valorização " Segundo o coordenador da pesquisa, o professor Luis Enrique Sánchez, do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo da Poli, algumas pesquisas e trabalhos acadêmicos já começam a estudar a relação entre o valor da empresa e uma adequada prestação de contas. Uma pesquisa do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), de 2005, mostra que as empresas que agem com responsabilidade social alcançam melhores retornos para seus acionistas. "Além disso, as empresas mais avançadas perceberam que é mais fácil conseguir autorizações para novos projetos " o que vem sendo chamado de "licença social para operar" " quando elas podem provar que trabalharam bem em outros locais, ou seja, quando são capazes de demonstrar resultados concretos de desempenho ambiental, que é uma das funções dos relatórios de sustentabilidade", finaliza.



ATENDIMENTO À IMPRENSA:

Acadêmica Agência de Comunicação

Assessoria de Comunicação e Imprensa

Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo

Escola Politécnica da USP

Érika Coradin

(11) 5549-1863 / 5081-5237 / 9185-9557

erika@academica.jor.br



  Mais notícias da seção Empresas no caderno Eco Watch
28/07/2008 - Empresas - Fundação Itaú realiza encontro do Prêmio Itaú-Unicef em São Paulo na próxima quarta (30/07)
Formação destina-se a preparar gestores de projetos e programas sociais para criar oportunidades de desenvolvimento para as crianças e adolescentes...
25/07/2008 - Empresas - CERONA APRESENTA ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL DURANTE AUDIÊNCIA PÚBLICA EM BATAYPORÃ (MS)
A empresa investirá no Mato Grosso do Sul cerca de R$ 1,5 bilhão para a construção de duas usinas de açúcar, etanol e bionergia. ...
21/07/2008 - Empresas - 3M lança campanha ecológica e social
Empresa une reciclagem de tapetes Nomad a auxílio a crianças da APAE em campanha inédita...
14/07/2008 - Empresas - ZILOR REALIZA PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE PESSOAS DA ÁREA AGRÍCOLA
Colaboradores têm oportunidade de se aperfeiçoar e conquistar novos horizontes de trabalho. No ano passado, 200 profissionais adquiriram novas competências e assumiram novas funções...
01/07/2008 - Empresas - Setor de limpeza profissional estima movimentar R$ 9 milhões em 2008
O setor de limpeza profissional deverá movimentar R$ 9 milhões em 2008, segundo revisão da Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional (Abralimp). No ano passado, o setor movimentou R$ 8,4 milhões. ...



Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


Busca em

  
26928 Notícias


Parceria
 

Projetos Ambientais

 

Artesanato com fibras vegetais do interior do Amazonas tem mercado internacional

 

Desenvolvimento Sustentável

 

Refreando o consumismo

 

Desenvolvimento Sustentável

 

O "papa" do decrescimento

 

Desenvolvimento Sustentável

 

"Decrescendo"....Parte 1

 

Empresas

 

Imagens CST