| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Ecopress
Desde: 17/03/2000      Publicadas: 26928      Atualização: 01/12/2009

Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


 Eco Watch

  23/01/2008
  0 comentário(s)


Davos entra na disputa sobre custo-benefício do etanol


A polêmica em torno dos biocombustíveis deverá ser um dos temas em debate no encontro anual do Fórum Econômico Mundial, que começa nesta quarta-feira na cidade suíça de Davos. Pelo menos duas mesas de discussão sobre o tema estão previstas no programa do fórum.

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, participa na sexta-feira de uma mesa de discussão que vai debater os efeitos adversos do aumento da produção e do consumo de biocombustíveis, como o aumento do preço dos alimentos, o desmatamento e o aumento do consumo de água para irrigação de cultivos.

Outra mesa, com a presença do ex-ministro do Desenvolvimento Luiz Fernando Furlan, debaterá o impacto do uso dos biocombustíveis sobre o aquecimento global.

Polêmica

O etanol e os demais biocombustíveis são o destaque da política externa do governo brasileiro e são promovidos como uma alternativa ecologicamente correta aos combustíveis fósseis no combate ao aquecimento global e como uma opção econômica para países pobres da África e América Central.

No entanto, o uso de biocombustíveis como alternativa energética enfrenta crescente resistência no exterior e o tema vem provocando polêmica.

Um dos argumentos dos opositores é que a produção de biocombustíveis tende competir com a de alimentos e que as lavouras de cana-de-açúcar empurrariam outras culturas para a Amazônia, aumentando a devastação da região - críticas que são rebatidas pelo governo brasileiro.

No final de outubro, o relator especial da ONU para o Direito à Alimentação, Jean Ziegler, chegou a pedir uma moratória na produção de biocombustíveis, dizendo ser "crime contra a humanidade converter terras para a agricultura em solo para produzir alimento a ser queimado como combustível".

Um dos maiores "propagandistas" mundiais dos biocombustíveis, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não estará no fórum de Davos neste ano, depois de ter participado de três dos últimos cinco encontros.

Convidado, Lula preferiu permanecer em Brasília nesta semana para cuidar de temas da política interna. (Ecopress com informações da da BBC Brasil - 23/01/08, às 10h33)



  Mais notícias da seção Acontece no caderno Eco Watch
12/06/2008 - Acontece - Via Campesina denuncia agronegócio e ação das empresas em 10 estados
Protestos apontam agronegócio como culpado pela elevação do preço dos alimentos e questinam transposição do Rio São Franciso...
05/05/2008 - Acontece - Desmatamento da Amazônia é tema de seminário em Belém
Nesta terça e quarta (6 e 7), encontro reúne representantes de setores governamentais, instituições de pesquisa e da sociedade civil ...
10/01/2008 - Acontece - VOLKSWAGEN CAMINHÕES E ÔNIBUS E SOS MATA ATLÂNTICA RENOVAM PARCERIA PARA PLANTIO DE MUDAS
Responsabilidade social da montadora inclui apoio a projetos culturais ...
25/11/2007 - Acontece - Estados tentam barrar restrição à agropecuária
Terras altas podem se tornar áreas de preservação ...



Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


Busca em

  
26928 Notícias


Parceria
 

Projetos Ambientais

 

Artesanato com fibras vegetais do interior do Amazonas tem mercado internacional

 

Desenvolvimento Sustentável

 

Refreando o consumismo

 

Desenvolvimento Sustentável

 

O "papa" do decrescimento

 

Desenvolvimento Sustentável

 

"Decrescendo"....Parte 1

 

Empresas

 

Imagens CST