| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Ecopress
Desde: 17/03/2000      Publicadas: 26928      Atualização: 01/12/2009

Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


 Eco Watch

  06/11/2007
  0 comentário(s)


Aracruz enfrenta 329 focos de incêndio no Espírito Santo e Bahia


Depois de problemas com índios e quilombolas, a Aracruz Celulose enfrenta agora o fogo em suas florestas. Uma onda de calor associada a uma forte estiagem provoca o pior incêndio da história em terras da fabricante de celulose.

Do dia 20 de outubro até ontem, a empresa havia contabilizado 329 focos de incêndios em áreas localizadas entre o Norte do Espírito Santo e o Sul da Bahia, que afetaram 1,85 mil hectares de terras de sua propriedade. Dois terços destas áreas são de florestas de eucaliptos. O restante é de reservas de florestas naturais preservadas pela empresa, conforme a lei brasileira. "Normalmente, temos cinco a seis incêndios por dia nesta época do ano. Por conta dos fortes ventos e do clima seco e quente, o número de focos subiu para 20 por dia", afirma o gerente regional florestal da Aracruz na Bahia, Antônio Nascimento. A fabricante informa que o fogo atinge outras empresas.

A Aracruz não calculou os prejuízos financeiros com o incêndio, à espera que os focos sejam debelados para a posterior medição dos estragos. "É necessário esperar para saber o real tamanho do prejuízo. Em algumas situações, a floresta pode ser recuperada", diz Nascimento. O que a fabricante já sabe é que perdeu 30 mil metros cúbicos de madeira, empilhada em áreas da empresa, destruída pelo fogo. Estimativas da Aracruz dão conta de que essa quantidade de madeira - um pouco maior do que o consumo de um dia da fábrica - represente prejuízo de R$ 2 milhões.

Segundo relatório anual da empresa, as florestas estão todas asseguradas, com o limite fixado em US$ 39 milhões. A expectativa é que as chuvas nesta região só ocorram depois do dia 15, declarou o gerente da Aracruz. "As chuvas já chegaram ao Sul do Espírito Santo", declarou Nascimento.

Até lá, a empresa espera que os focos de incêndio se reduzam. Para isso, a Aracruz deslocou 600 pessoas da brigada de incêndio para a operação de combate aos focos de incêndio - as equipes trabalham 24 horas em esquema de rodízio. Estão envolvidos 12 caminhões-pipas, seis moto-niveladoras, duas pás carregadeiras, três caminhões pranchas, 40 veículos leves e 25 ônibus, segundo a empresa.

A Aracruz pediu às polícias locais que investiguem as causas dos incêndios para descobrir se houve algum tipo de delito. Em agosto, o governo demarcou como terra indígena 18 mil hectares em posse da companhia de celulose, que também enfrenta ameaça de quilombolas. (Ecopress com informações do Valor Econômico - 06/11/07, às 9h44)



  Mais notícias da seção Acontece no caderno Eco Watch
12/06/2008 - Acontece - Via Campesina denuncia agronegócio e ação das empresas em 10 estados
Protestos apontam agronegócio como culpado pela elevação do preço dos alimentos e questinam transposição do Rio São Franciso...
05/05/2008 - Acontece - Desmatamento da Amazônia é tema de seminário em Belém
Nesta terça e quarta (6 e 7), encontro reúne representantes de setores governamentais, instituições de pesquisa e da sociedade civil ...
10/01/2008 - Acontece - VOLKSWAGEN CAMINHÕES E ÔNIBUS E SOS MATA ATLÂNTICA RENOVAM PARCERIA PARA PLANTIO DE MUDAS
Responsabilidade social da montadora inclui apoio a projetos culturais ...
25/11/2007 - Acontece - Estados tentam barrar restrição à agropecuária
Terras altas podem se tornar áreas de preservação ...



Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


Busca em

  
26928 Notícias


Parceria
 

Projetos Ambientais

 

Artesanato com fibras vegetais do interior do Amazonas tem mercado internacional

 

Desenvolvimento Sustentável

 

Refreando o consumismo

 

Desenvolvimento Sustentável

 

O "papa" do decrescimento

 

Desenvolvimento Sustentável

 

"Decrescendo"....Parte 1

 

Empresas

 

Imagens CST