| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Ecopress
Desde: 17/03/2000      Publicadas: 26928      Atualização: 01/12/2009

Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


 Eco Watch

  07/10/2007
  0 comentário(s)


Amazônia pode acabar em 40 anos


Um grupo preservacionista alertou, no início desta semana, que a Amazônia corre risco de sofrer danos sem precedentes em decorrência de um ambicioso projeto para melhorar a infra-estrutura de transportes, comunicações e energia na região. Os projetos de desenvolvimento foram elaborados para fomentar elos comerciais entre dez pólos econômicos no continente, mas ameaçam trazer ampla destruição para a maior floresta tropical do mundo, segundo a ONG Conservação Internacional (CI).

Planos para melhorar o transporte rodoviário e fluvial combinados à construção de barragens e à instalação de um extenso cabeamento para transmissão de energia elétrica e para comunicações abrirão trechos antes inacessíveis da floresta tropical, elevando risco de um desmatamento generalizado. Em último caso, pode levar à perda de toda a floresta amazônica em 40 anos, afirma a entidade.

Tim Killeen, um cientista que trabalha para a CI, analisou os projetos da Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura Regional da América do Sul, financiados por vários governos. Ele concluiu que o impacto isolado de cada obra sobre o ambiente foi bem avaliado, mas o do conjunto das obras não foi devidamente considerado. Parte das melhorias planejadas envolverá rodovias dos Andes, atravessando o Rio Amazonas e o cerrado, ligando o Pacífico ao Atlântico.

"A falha em prever o impacto total dos investimentos, particularmente no contexto de mudança climática e mercados globais, produzirá uma combinação de forças que poderá levar a uma tempestade perfeita de destruição ambiental", denuncia Killeen.

CONSELHOS

Por isso, a CI conclama os governos que estão respaldando o projeto a assumir mais responsabilidade pelo impacto ecológico das obras.

Se os países amazônicos concordassem em reduzir o desmatamento em 5% ao ano durante três décadas, a floresta salva iria, potencialmente, qualificar-se como forma de redução das emissões de gases de efeito estufa e gerar mais de R$ 11 bilhões ao ano, calcula Killeen.

Já a plantação de cana-de-açúcar para geração de biocombustível poderia ser feita nos 65 milhões de hectares de terra que já foram desmatados na região, afirma. (Ecopress com informações do jornal o Estado de S.Paulo - 08/10/07, às 9 horas)



  Mais notícias da seção Amazônia no caderno Eco Watch
24/07/2008 - Amazônia - Manejo sustentável da Orsa Florestal preserva biodiversidade na Amazônia
Experiência de sucesso na exploração ambientalmente responsável de territórios de floresta amazônica nativa faz da empresa um dos principais nomes do segmento no Brasil ...
14/07/2008 - Amazônia - GRILAGEM NA AMAZÔNIA VIRA LEI
Senado aprova MP que legaliza áreas públicas invadidas e estimula a destruição da floresta...
29/09/2007 - Amazônia - Especialistas cobram proteção da Amazônia
Um dia depois de anúncio do presidente Lula, pesquisadores pedem medidas mais radicais ...
09/09/2007 - Amazônia - Brasil lança neste mês novo satélite para monitoramento territorial
Missão é crucial para que o País continue a ter imagens da Amazônia; instrumentos atuais podem parar de funcionar ...
02/09/2007 - Amazônia - Desmatamento aquece Amazônia em até 4C, diz Inpe
Estudo sugere que derrubada de mais de 40% da floresta muda o clima local, disparando o processo de savanização.Simulação em computador mostrou que troca da mata por lavoura de soja pode reduzir chuvas em até 24% no verão no leste amazônico ...



Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


Busca em

  
26928 Notícias


Parceria
 

Projetos Ambientais

 

Artesanato com fibras vegetais do interior do Amazonas tem mercado internacional

 

Desenvolvimento Sustentável

 

Refreando o consumismo

 

Desenvolvimento Sustentável

 

O "papa" do decrescimento

 

Desenvolvimento Sustentável

 

"Decrescendo"....Parte 1

 

Empresas

 

Imagens CST